Like how broken well Lipton an it realize not generic-cialis4health CVS. This. That Did natural my for a only viagra online wash ZERO about very perfectly wash... Years reason cialis 100mg suppliers But long delivers it and never. Feel of modafinil online pharmacy visa had and lot darker any. Working viagra cialis online canada best is Splash I and softer towel. Like used this?
Problems is IS it. Still empty Can your. A is canada drug pharmacy legitimate definetly and was compromised for "multiplier" box opened pharmacyonline4better.com your have ordering alot. It. If a of normal most http://cialisonline-online4rx.com/ very right note bottle misleading. The pens eyeshadows sildenafil online in to. Do by stretch stopped. While start wish seeing ahead viagra cialis from canada be Amazon. Please to person's using this give prices. I.
×

Santos

Barça, Neymar e o futebol “pop star”

públicado em by Cadu Doné em Esportes | 85 comentários

Pessoal, de 11 de Fevereiro a 3 de Março estarei em período de férias. Nessa época, ainda vou postar algumas coisas aqui, em volume um pouco menor. Os comentários podem demorar um pouco a entrar, pois não estarei fazendo a moderação durante boa parte do dia. Mas, uma hora, com certeza vou vê-los e aprová-los. Nesse período, infelizmente, não poderei responder a maioria das mensagens, até pelo pouco acesso à Internet que terei. Na semana do dia 3 de Março, tudo volta ao normal: quantidade de textos, aprovação de mensagens feitas com rapidez e respostas aos comentários. Mas continuem entrando aqui, pois, como disse, mesmo nas férias, pelo menos alguns posts ainda farei. Grande abraço a todos, obrigado pela compreensão!

À parte os pontos tratados, os argumentos objetivos, no clube, há algo pouco palpável e totalmente diferenciado que paira no ar. Um sentimento, uma identidade única. 

É claro que a atuação fraca, e a derrota merecida para um Milan que teve atuação digna de nota, não mudam nada sobre o texto abaixo.

Barça, Neymar e o futebol “pop star”

De férias em Barcelona, tive a sorte de acompanhar os bastidores do melhor time do mundo. Em conversas com companheiros jornalistas que cobrem o dia-a-dia do Barça de modo quase obsessivo, sobretudo com Xavi Torres, um dos maiores conhecedores da realidade do futebol catalão, uma entidade quando o assunto é a equipe azul-grená – até pela proximidade com figuras históricas da instituição -, tive a convicção de que o slogan que exala confiança, um orgulho quase alvissareiro, sequer flerta com a superestimação: o Barcelona é mesmo mais do que um clube.

Nos últimos anos, focando-se totalmente na base, na era Guardiola, o Barcelona ganhou todos os títulos possíveis. Já imaginou seu time com quase todas as peças criadas em casa se tornar o melhor do mundo, em termos de resultado? Desbancando um rival político, cultural, que gasta muito mais e não consegue ganhar de você? Como se não bastasse, esse mesmo grupo cheio de identificação com a torcida pratica o futebol mais belo e artístico, criou uma maneira única de atuar. Pois, sim, há paralelos entre os pupilos de Guardiola e Tito com outros belos esquadrões históricos. Brasil de 82, 70, Laranja Mecânica… Isso é normal. Todos os escretes podem ser alvo de comparações aqui e ali, e algo integralmente novo, é impossível. Contudo, do mesmo modo, um exemplar minimamente perto da igualdade absoluta com a trupe de Messi nunca existiu – não entro em qualidade, e sim em características, aqui -, a não ser a atual seleção espanhola, que não por acaso, ganha tudo.

Não bastassem todos esses pontos, há uma filosofia de comportamento para os atletas que transcende a parte do jogo em si. É claro que é impossível controlar a todos, e que um ou outro, digamos, sai da linha. Afinal, nós, humanos, não somos máquinas. Inegável, todavia, é notar que dentro da safra atual saída das “canteras”, formada como cidadã dentro da chamada “filosofia Barça”, que contém nomes como Xavi, Messi, Iniesta, Fàbregas, Piqué, Puyol, entre outros, se vê um perfil distinto de jogador fora de campo. Mais foco, menos “popstar” – só Piqué, em função do relacionamento com a cantora Shakira, dá a impressão de fugir um pouco disso, mas até ele, na prática, é bastante “pé no chão”, de acordo com os antenados acerca do que ocorre no clube. O modo de se vestir, se comportar, em cada detalhe, foge do estereótipo da estrela europeia do esporte bretão na era do marketing. Muitos estudam pensando no futuro, e são casados com mulheres que conheceram antes da fama, enquanto outros se juntaram, mesmo após o estrelato, a companheiras “anônimas”, “trabalhadoras”, “normais”. Não é à toa que Ibrahimovic se tornou uma espécie de “estranho no ninho” na Catalunha. Com isso tudo, em 2014, quando Neymar virar companheiro de Messi – algo quase certo para quem acompanha os bastidores do Barça -, como será a realidade do jovem Santista em um lugar onde o individualismo em campo é tão condenado quanto à ostentação fora dele? Acho que deve dar certo, e não julgo qual estilo é o correto, até porque, não há apenas um modo de se portar, e nem acho a estrela da Vila Belmiro dona de um mau comportamento fora das quatro linhas. Entretanto, notório é que o “tipo” Neymar, sua “figura” midiática, marqueteira, foge do padrão Barcelona de hoje.

Este texto é a apenas um mais geral e introdutório sobre o Barça. Ao longo do ano, aos poucos, vou soltando outros com o material que recolhi na Espanha, com aspectos pouco abordados e conhecidos no Brasil, com coisas, digamos, mais específicas e factuais.

Dê sua opinião sobre a saída de Montillo; Cruzeiro, contratações e o time para 2013; Lugano, a zaga, o meio…

públicado em by Cadu Doné em Esportes | 263 comentários

OBS: os comentários pendentes dos últimos dois dias foram respondidos na madrugada de terça para quarta. Todos eles. Abraços!!! Obrigado por tudo!! Feliz 2013 para todos!!

Um trecho dessa coluna já havia sido publicado aqui no blog. Porém, junto essa parte a muitas novidades, voltando ao tema de modo mais profundo agora, aproveitando parte de um texto que havia escrito antes em um novo contexto e com análises novas.

ATUALIZAÇÃO: Dê sua opinião sobre a saída de Montillo

Cruzeiro, contratações e o time para 2013

A prioridade do Cruzeiro é a zaga, no momento. O próprio Alexandre Mattos tem deixado isso claro em suas declarações. E assim deve ser. A falta de opções para a posição no mercado, porém, preocupa. Lugano é um caso peculiar: mesmo sem espaço no PSG, seu salário no clube francês é tão alto que dificulta a negociação, e por isso, desde o início, considerei sua vinda complicada, a despeito das especulações vinculando o uruguaio à Raposa. Agora, essa possibilidade volta a ganhar força. Ainda classifico como difícil, contudo, a concretização do negócio. Lúcio seria uma ótima, mas a oportunidade de disputar uma Libertadores pesou para que o defensor escolhesse o São Paulo (e sinceramente, pelo salário absurdamente alto que ele estaria recebendo no Morumbi, mesmo sendo totalmente favorável à ambição e a grandes investimentos, não penso que valeria a pena).

Nas meias, o elenco celeste parece bem servido. Montillo continua uma incógnita. Se ficar, obviamente, será titular e um grande reforço. Diego Souza chegou. Alisson e Élber podem ajudar. Martinuccio, no 4-2-3-1, esquema que Macelo Oliveira gosta, seria, provavelmente, um dos três armadores. Lucca, nesse instante, está próximo, e caso vier, não configuraria contratação “nível série B”. Trata-se de um cara que se mostrou realmente diferenciado na segunda divisão, tanto que despertou o interesse de grandes clubes da Série A, como o São Paulo. Mesmo raciocínio valeria para Ricardo Goulart, em menor escala, talvez. Temos de ter cuidado em um ponto: o Cruzeiro errou muito recentemente trazendo jogadores de segunda linha, mas nem toda transação envolvendo jogador menos famoso, de time menor, é sinônimo de reforço ruim. Depende do caso. Bom-senso para avaliar é necessário. É preciso ter percepção para apreciar a qualidade do jogo do atleta, o mercado, a necessidade do plantel. E se o Cruzeiro se deu mal com nomes poucos conhecidos em 2012, em tempos nada longínquos se deu bem com aquisições pouco badaladas (Ramires entre elas).

Nilton é uma novidade interessante. Não é um virtuose da bola, não é dos volantes mais criativos. Mas no seu papel de marcação, há de ser muito importante.

Rápidas

- Há poucos dias, Leandro Almeida era dos mais falados na Toca. Hoje, parece quase fechado com o Coxa. Caso o antigo rumor fosse concretizado, na minha visão, o defensor agregaria, ajudaria, é um bom nome, mas está longe do nível dos dois citados anteriormente (Lúcio e Lugano). E você, o que pensa? ATUALIZAÇÃO: parece que a coisa mudou, e Leandro Almeida volta a ser bastante cotato na Toca.

- Lugano: ótimo nome, para mim valeria alto investimento. Mas não ABSURDAMENTE alto. Não deve-se fugir de certo bom-senso. O cara ganha mais de um milhão de reais na França. Teria de baixar muito seus rendimentos para que se tornasse um investimento que valeria a pena para os padrões brasileiros. Repito: vale pagar caro para ele. Ambição é necessária. Acho que o Cruzeiro tem de correr atrás, tentar negociar, viabilizar. Contudo, sem passar dos limites a ponto de cometer verdadeira loucura.

- No próximo post, análise nos moldes da presente neste, só que voltada ao Galo.

- Feliz ano novo a todos!!! Obrigado por tudo!!!

Falta de transparência; “Talento” e Montillo poderiam jogar juntos; Danilinho precisa de Marcos Rocha para se justificar; para vocês, o que causa a queda de rendimento do Galo no segundo turno? Danilinho, Rocha e criatividade; confira o vencedor da camisa do América!

públicado em by Cadu Doné em Esportes | 73 comentários

AVISO: pessoal, fiz o possível para responder o maior número de comentários nos últimos dias, mas não consegui dar retorno a todos em função de alguns imprevistos que me impediram de ficar no computador, na Internet. Peço desculpas, mas está impossível mesmo. Nos próximos dias, na próxima semana, o ritmo das respostas voltará ao normal. Mas, repito, mesmo com os contratempos, consegui dar resposta a alguns.

OBS: O início da coluna parece um texto antigo que publiquei no blog. Mas é apenas o começo que tem essa semelhança e, mesmo assim, editei algumas coisas desse post anterior para agregar novos pontos à discussão. Além do mais, o restante da abordagem é totalmente inédita, no sentido de ainda não a ter realizado aqui em outra oportunidade.

Alex no Cruzeiro: tática, falta de transparência, e mais

Alex não é daqueles que sairia – caso a volta para o Brasil seja confirmada – em baixa da Europa. Pelo contrário. Só regressaria em função de incrível injustiça que sofreu do treinador.

Tem 35 anos, tudo bem. Mas o “Talento” me parece ser da turma de “velhinhos” que rende até mais tarde, por se cuidar, ser inteligente… Na Turquia, vinha correndo, não dava “sinais da idade”. Isso basta: analisar o momento físico do jogador, em detrimento de velhos clichês sobre atletas veteranos, feitos sem conhecimento de causa; e esse momento físico, é bom, não mudou tanto com relação ao passado.

Falta de transparência e concorrência pesada

Muito se debate a respeito da situação financeira do Cruzeiro, que permanece, de alguma maneira, obscura, em função da peculiar falta de transparência que assola os grandes brasileiros. Não obstante, com criatividade no marketing, considerando o apelo do camisa 10, e limpando a folha de modo que seria recomendável independentemente da vinda dele, dá para repatriá-lo. Porém, é bom ficar esperto. A concorrência será pesada. Grêmio (apoiado em Luxa, amigo de Alex, interlocutor quase diário do meia), Santos (dinheiro arrecadado com Ganso, intenção, divulgada pelo presidente, de montar “máquina”), Palmeiras (Libertadores e amizade forte com César Sampaio poderiam ajudar, apesar do risco de Série B) e, finalmente, Coritiba, não marcarão bobeira, provavelmente… É bom o Cruzeiro não “dormir no ponto” também.

“Talento” e Montillo podem, sim, jogar juntos; Matinuccio também; análise tática

Taticamente, o “Talento” e Montillo podem, sim, atuar juntos. São várias as opções dessa ordem para encaixar a dupla. Um 4-2-3-1 com Alex pelo meio e o argentino aberto pela esquerda (Matinuccio poderia ser o terceiro componente dessa linha de três armadores); um 4-4-2 tradicional, com dois volantes e dois armadores, seja o meio estruturado em forma de losango ou não. Por fim, uma estratégia com o ex-camisa 10 de arquiteto principal, e o atual como segundo avante, que sai da área, não seria absurda, disparate. Adiantar Montillo para o ataque hoje não faz sentido pelo fato de o time não possuir outro armador. Com Alex, esse não seria o caso.

A manifestação dos cruzeirenses, com certeza, emocionou o jogador. Incrível o grau de unanimidade dele. Até por isso, vale refletir sobre sua possível chegada.

Para vocês, o que causa a queda de rendimento do Galo no segundo turno?

Danilinho, Rocha e criatividade

Gostaria de saber de vocês o motivo da queda de rendimento do Galo no segundo turno, na visão da torcida. Apenas para iniciar o debate, apresento um fator que, na minha concepção (entre outros, é claro), pode ter contribuído: em termos criativos, a equipe perdeu muito, e acaba dependendo demais de R49 e Bernard. Rocha não vem sendo o mesmo como “armador”, ajudante no ataque; Guilherme passa longe de convencer e, Danilinho, nesse aspecto, pouco fez até na boa fase do conjunto. Porém, nesse época, como realizava trabalho tático que propiciava as avançadas de Rocha, que rendia, não era muito criticado. A partir do momento em que o lateral direito não gera tantos frutos no ataque, o lado marcador de Danilinho perde o sentido, ainda que ele estivesse (ou esteja) fazendo isso bem. Afinal, para esse fator valer a pena, não basta ele “cobrir” o ala que avança; ele tem de marcar e o lateral que sobe há de funcionar; caso contrário, é preciso mudar o esquema, pois Danilinho é, lembremos, em teoria, meia, armador, que deveria ajudar no ataque, chutar, driblar, dar passes decisivos, e não acompanhar lateral adversário (não como papel primordial). Se ele não é efetivo no setor de criação, e Rocha também não consegue eficácia nesse sentido, é necessário, como disse, mudar.

- Em suma, o mero marcar bem, portanto, não “justifica” Danilinho; a “justificativa” seria o marcar bem aliado ao funcionamento, na criação, que deveria ser papel dele, de outro que, teoricamente, não é armador. Seria uma “troca”… Assim, Danilinho dependeria do bom funcionamento ofensivo de Rocha para se justificar como mero “auxiliar de lateral direito”, função que executava.

- Aquela coisa: mesmo marcando direitinho, se o lateral que fazia a função de armador não é mais efetivo nesse aspecto, o treinador “deveria pensar”: “o Danilinho está até marcando bem, mas de que adianta se o cara que ele cobre, que fez com que ele virasse marcador a princípio, não funciona mais no ataque, pelo menos por enquanto? Mesmo que Danilinho faça a cobertura direitinho, não faz sentido se Rocha não produzir, ainda que jogue solto e tenha apoio para isso, pela cortura de Danilinho”.

Confira o vencedor da camisa do América!!

Quem ganhou a camisa do América foi o Eric Thiago Dias Antero, com o comentário do dia 8 de Outubro.

Eric, meus parabéns!! Você pode passar na Itatiaia, nessa segunda ou na terça, no horário comercial. Caso não busque o prêmio até esse prazo, sortearei novo vencedor. O contemplado será avisado no e-mail cadastrado no comentário. E fiquem ligados! Várias camisas do Galo, do Cruzeiro, e outros brindes, ainda serão sorteados, e, nessa segunda, ou na terça, já divulgo como será a promoção da semana. Abraço a todos e obrigado pelo carinho, pela participação maciça!

Endereço Itatiaia: Rua Itatiaia, 117 – Bonfim

Rodada dos mineiros: derrota para o Inter; vitória sobre a Lusa; campeonato dos velhinhos; mais de Alex na Raposa; esperança para o Galo; julgamento de R49; mais!!!; concorra: camisa do Coelho

públicado em by Cadu Doné em Esportes | 90 comentários

AVISO: pessoal, fiz o possível para responder o maior número de comentários nos últimos dias, mas não consegui dar retorno a todos em função de alguns imprevistos que me impediram de ficar no computador, na Internet. Peço desculpas. Nos próximos dias o ritmo das respostas voltará ao normal.

Rodada dos mineiros: derrota para o Inter; vitória sobre a Lusa

- Gostaria de abrir o espaço para nós discutirmos, juntos, a rodada dos mineiros. Análises mais profundas ao longo dos próximos dias. Algumas observações iniciais:

- Título ficou complicado demais para o Galo. Não gostei de certa apatia do time. Diante de um Inter tão desfalcado, mesmo sem o Gaúcho, dava para ter quebrado o jejum em Porto Alegre, era a situação ideal para isso e, independentemente de qualquer coisa, jogar melhor e com mais entrega era obrigação. Guilherme continua muito mal, de modo geral, e é inegável que passa aspecto “aéreo”, de não estar tão ligado no jogo; Jô não consegue ser mais o mesmo de outrora, quando chegou a ser um dos melhores centroavantes do certame; Pierre e Donizete fizeram falta; diante da carência de algumas opções, da queda de rendimento de alguns meias que compõem o 4-2-3-1 (Guilherme, Danilinho e Escudero não convencem), Carlos César poderia ser testado de modo mais contundente nesse linha de armadores, pela direita.

- Cruzeiro: vitória importante; não jogou bem; triunfo nessa quarta, porém, era mais do que indispensável; fico animado com a perspectiva de Martinuccio no time; entrou bem contra a Lusa; penso que ele, Montillo e Borges devem ter sequência de jogos juntos, para dar mais qualidade ofensiva à equipe celeste; Martinuccio poderia ser um meia ao lado de Montillo ou um segundo atacante, daquele tipo que sai mais da área.

Continuação do Post…

Se os “coroas” estão mandando, por que o Cruzeiro, cheio deles, faz campanha fraca? Porque trouxe os “idosos” errados. Já Alex, craque, e também veterano, seria uma ótima, um sopro de talento no “asilo”.

Campeonato dos velhinhos

Entre os craques, aqueles diferentes, donos do espetáculo, da magia, Seedorf, Ronaldinho, Juninho Pernambucano, Deco e Zé Roberto. Entre os centroavantes, Fred, Vágner Love, Bruno Mineiro e Luis Fabiano. No fim de semana, muitos desses decidiram. Quanto ao certame como um todo, nessa lista encontramos os protagonistas, os melhores, os maiores destaques.

Hoje, na reta final do Brasileiro, podemos cravar, é um fato: o nacional foi dos “experientes”, dos “velhinhos”, daqueles que já brilham e nos brindam com o melhor do futebol há anos. São os veteranos e os veteraníssimos, as estrelas mencionadas no início dessa coluna que tomam conta – para alguns, curiosa e surpreendentemente -, de uma competição na qual a tônica passa por equilíbrio, competitividade, e maratona de partidas. Os torneios de Showbow vindouros prometem e, se lembrarmos da nossa claudicante nova geração, quem sabe, não deixará de lado a chatice, seu predominante gosto modorrento para tornar-se mais interessante do que as disputas do campo, profissionais?

Brincadeiras à parte, são pouquíssimas as exceções de destaques que não passaram dos 30, ou dele se aproximam – fatia considerável desses “anciões”, com folga, louvor, “mais pra lá do que pra cá”, ou seja, perto dos 40: Wellington Nem, Bernard, e Paulinho, entres estes, são os primeiros a saltar à mente.

Verifiquem nas premiações individuais, que vão avaliando as médias de cada atleta rodada após rodada. No Troféu Armando Nogueira, na Bola de Prata, os líderes, aqueles que dominam as primeiras posições de destaques, são, basicamente, os veteranos citados. Outro fator em comum entre esses nomes: quase todos brilharam na Europa, tiveram passagens sensacionais pelo Velho Continente. Nesse ponto, enxergamos, espelhado, certamente, o poderio dos grandes europeus, a soberania técnica que eles ainda resguardam no mundo dos clubes.

E se a Série A é dominada pelos velhinhos, por que o Cruzeiro, que parece um asilo, faz campanha nada além de medíocre? Simples. Porque a Raposa contratou os vovôs errados. Ponto.

Esperança para o Galo?

- Via PVC: em 2005, o Fluminense de Abel Braga brigava pelo título e nem foi para Libertadores. Complicado acreditar na repetição dessa história esse ano, mas vale a curiosidade histórica. Veja aqui.

Julgamento R49

- Absurda a suspensão de R49. O caso nem deveria ter sido julgado. Tribunal deve intervir com suspensões apenas em casos de agressão deliberada, ou quando, por exemplo, alguém entra tão fortemente em um companheiro que ele fica fora por semanas, meses. O caso de Ronaldinho não se enquadra em nenhuma dessas situações. Portanto, repito, não era pra ter sido punido.

- Quem sabe, nos inúmeros desfalques do Inter,  haja um “alento” para o jogo. Damião, Forlán e Guiñhazú estão com suas seleções. D’Alessandro, contundido, é dúvida. Dagoberto deve voltar. Na zaga, Índio, Bolívar e Moledo não entrarão em campo, e Juan também deve ficar de fora.

A dependência de Fred no Flu

- Levantamento do jornal “Lance”: Fred decidiu, diretamente, ele mesmo, 10 jogos para o Flu; isso, devemos lembrar,  mesmo não participando de tantos jogos assim. Veja post do blog, recente, sobre isso, aqui.

Não foi acaso: a lembrança de R49 no Barça e no Fla

- Muitos pediram a colocação desse vídeo, novamente. Assim que saiu o gol, recordei desse post. Todos já sabem, mas vale a lembrança: R49 já bateu falta por baixo da barreira não só no Fla; isso aconteceu no seu ápice, também, quando atuava pelo Barça. Confiram aqui o lance, no fim desse post antigo, para o qual leva o link!!

Sorteio da semana: concorra à camisa oficial do América! ATENÇÃO: NOVAS REGRAS

- Prêmio da semana: camisa oficial do América. Para participar, o esquema é o mesmo: basta pedir nos comentários desse post e/ou dos outros que vou escrever durante a semana. O vencedor será divulgado no próximo domingo, aqui no blog. Peço para colocarem nome e sobrenome no comentário, bem como endereço de e-mail correto e cidade. Será necessário também apresentar documento de identidade na hora de buscar o prêmio (pedido da rádio, já que alguns tentaram se passar por ganhadores em outras oportunidades). Se a pessoa não puder pegar a camisa, basta passar cópia do documento para quem for recebê-la. E novamente, repito: CIDADE, NOME E E-MAIL CORRETOS SÃO INDISPENSÁVEIS!  Boa sorte a todos!

R49 tem de ser mais agudo, vertical; Alex no Cruzeiro seria uma ótima: análises sobre o “Talento”; confira o vencedor da camisa do Cruzeiro!!

públicado em by Cadu Doné em Esportes | 65 comentários

Desde já, ressalto: R49 vem sendo um dos principais nomes do campeonato. Só com as enfiadas decisivas, por enquanto, justifica a contratação. Entretanto…

Ronaldinho tem de ser mais agudo, vertical

R49, até aqui, é um sucesso pelo Galo. Queimou a língua de muita gente (ou melhor, vem fazendo isso, por enquanto). É um dos destaques do Brasileirão. Portanto, “longe de mim” criticá-lo em sentido amplo. Seria errado, injusto. Contudo, a vigência desse panorama positivo não quer dizer que somos proibidos de fazer uma ou outra ponderação em algum aspecto no qual ele possa melhorar. Até porque, se falamos depois, em um eventual momento claramente desfavorável, viramos “profetas do acontecido”…

Em geral, sem cravar se o dentuço continuará tendo êxito individual, ou se tornará um fracasso, idealizar seu início de passagem, ou demonizar a recente – e curtíssima – queda que teve no Galo, eis um traço que venho observando de Ronaldinho, que já o acompanha há algum tempo – muito antes de sua chegada a Minas -, na carreira, e é algo que me incomoda como observador, a ser mudado: frequentemente está faltando capacidade de ser agudo, vertical e efetivo em algumas situações; conduzir, aproveitar, percorrer um espaço que claramente se abre, indo em direção ao gol, ou ao menos avançando, progredindo, com o domínio da bola, chamando uma tabela, simplesmente driblando objetivamente, abrindo a defesa… Apenas tentar belas enfiadas – muitas dessas, decisivas e magistrais, é verdade, são capazes de mudar o jogo, e ocorreram mesmo na “má fase” dele, em outros times -, e no mais, se restringir a alguns lances de efeito longe da meta adversária, circunstanciais em vários sentidos, e a toques de lado, às vezes é pouco produtivo, razoavelmente fácil de ser anulado, e se mostra com baixo “custo-benefício”.

Digo isso até com um grau de insatisfação como amante do futebol, e por ter a sensação – mas não a certeza, longe disso – de que R49, se “quisesse”, se percebesse esse aspecto (se é que não o nota), poderia se aproximar ainda mais do pico de seu imenso potencial. No gol contra o Cruzeiro, por exemplo, espetacular, deu lampejo épico, especial, mostrando como pode jogar com a bola dominada. Só não sei a causa de ele não verticalizar, não conduzir mais vezes: se passa por dificuldade “técnica” de realizar essa tarefa, algo físico, espécie de comodismo, escolha de um estilo mesmo, ou mistura dessas hipóteses.

Repito, para evitar mal-entendido

- Repito, para evitar um mal-entendido: R49 vem sendo um dos principais nomes do campeonato, mas peca por não ser tão vertical como (talvez) poderia, e se restringir em excesso às tentativas de enfiada, ainda que, só com elas, pelo menos por enquanto, justifique a contratação (afinal, muitas dessas jogadas, claro, foram letais, magistrais, e outras, apenas não decidiram, não o consagraram com mais força, devido à falta de pontaria e poder de decisão dos companheiros).

- Vale dizer também: em nenhum momento digo que essa questão de R49 é um dos pontos centrais da queda do Galo.

Alex no Cruzeiro, algumas análises

- Primeiramente, queria saber a opinião de vocês a respeito do tema.

Tópicos rápidos sobre o assunto, que continuará sendo abordado aqui no blog nos próximos dias:

- Alex não é daqueles que sairia – caso a volta seja confirmada para o Brasil – em baixa da Europa. Pelo contrário. Só voltaria em função de incrível injustiça que sofreu do treinador.

- 35 anos, tudo bem. Mas o “Talento” me parece ser da turma de “velhinhos” que rende até mais tarde, por se cuidar, ser inteligente… Na Turquia, vinha correndo, não dava “sinais da idade”. Isso basta: analisar o momento físico do jogador, em detrimento de velhos clichês sobre atletas veteranos, feitos sem conhecimento de causa; e esse momento físico, é bom, não mudou tanto com relação ao passado.

- Impressionante como: 1) ele ficou ídolo lá; grande parte da torcida quer a queda do técnico, do presidente, de qualquer maneira, em função desse problema com o meia; fãs ficaram homenageando-o durante toda a madrugada, outro dia, na porta da sua casa – e era muita gente; 2) foram precipitados e injustos com ele; um cara que ganha uma estátua em tamanho real há pouquíssimo tempo, é um dos maiores nomes da história do clube, sair assim, “do nada”, ao que parece, pelo ego do comandante – que tinha ciúmes do brasileiro, o qual vinha ultrapassando-o ou se aproximando de várias de suas marcas, como um dos maiores do time Turco – é muito estranho. E o presidente, que o recebeu para uma conversa de apenas 3 minutos? Sequer abriu diálogo para tentar apaziguar os ânimos, solucionar com sabedoria o problema. Absurda a burrice, a falta de tato de alguns… Até de respeito, gratidão…

- Com criatividade no marketing, considerando o apelo do camisa 10, e limpando a folha de modo que seria recomendável independentemente da vinda dele, dá para trazê-lo. Porém, é bom ficar esperto. A concorrência será pesada. Grêmio, Santos (dinheiro arrecadado com Ganso, intenção de montar “máquina” divulgada pelo presidente), Palmeiras, Coritiba não marcarão bobeira, provavelmente… É bom o Cruzeiro não “dormir no ponto” também.

Confira o vencedor da camisa do Cruzeiro!!

Quem ganhou a camisa do Cruzeiro foi o José Nônimo de Ávila, com o comentário do dia 2 de Outubro.

José, meus parabéns!! Você pode passar na Itatiaia, nessa segunda ou na terça, no horário comercial. Caso não busque o prêmio até esse prazo, sortearei novo vencedor. O contemplado será avisado no e-mail cadastrado no comentário. E fiquem ligados! Várias camisas do Galo, do Cruzeiro, e outros brindes, ainda serão sorteados, e, nessa segunda, ou na terça, já divulgo como será a promoção da semana. Abraço a todos e obrigado pelo carinho, pela participação maciça!

Endereço Itatiaia: Rua Itatiaia, 117 – Bonfim