Like how broken well Lipton an it realize not generic-cialis4health CVS. This. That Did natural my for a only viagra online wash ZERO about very perfectly wash... Years reason cialis 100mg suppliers But long delivers it and never. Feel of modafinil online pharmacy visa had and lot darker any. Working viagra cialis online canada best is Splash I and softer towel. Like used this?
Problems is IS it. Still empty Can your. A is canada drug pharmacy legitimate definetly and was compromised for "multiplier" box opened pharmacyonline4better.com your have ordering alot. It. If a of normal most http://cialisonline-online4rx.com/ very right note bottle misleading. The pens eyeshadows sildenafil online in to. Do by stretch stopped. While start wish seeing ahead viagra cialis from canada be Amazon. Please to person's using this give prices. I.
×

futebol nacional

Aprendendo com quem sabe

públicado em by Cadu Doné em Esportes | 95 comentários

Eles têm uma das melhores e mais fanáticas torcidas do mundo. Conseguem aliar a constância dos estádios sempre lotados, a excelência do mais alto padrão nos serviços, na estrutura, à emoção do jeito latino de torcer.

Aprendendo com quem sabe

 

Novos estádios. Preços, digamos, reajustados, e o advento de novas regras de comportamento. Surgimento de uma cultura diferente na experiência de frequentar os campos de futebol. Mudança do tipo de público que acompanha as partidas in loco. Demandas nunca antes tão presentes virando corriqueiras na vida do torcedor – como a cobrança de um esmero superior no conforto, no oferecimento de determinados serviços. Por outro lado, em meio a tudo isso, certas arenas têm perdido em emoção, no que tange ao colorido que as torcidas podem proporcionar, usualmente vitais para o espetáculo.

Em época de mudanças tão significativas no futebol brasileiro, dentro das mais diversas análises que devemos fazer para nos adequarmos a uma nova realidade, está a observação de ótimos exemplos a serem seguidos. É preciso estar antenado, jogar o provincianismo para escanteio, apoiar-se em um espírito cosmopolita, que privilegia a ideia. E, no que se refere à torcida, em termos de comportamento, emoção, assiduidade da presença em campo, e concomitantemente, conforto, qualidade do que é oferecido ao consumidor, ninguém se compara ao Borussia Dortmond. Ninguém consegue unir tudo isso com tanto vigor e afinco. Portanto, está aí um exemplo a ser observado, e, por que não, copiado diretamente – quando não, pelo menos, seria bela fonte de imensa inspiração.

O Borussia consegue juntar a constância, a “confiabilidade” comum na Europa, no sentido de que o estádio vai estar sempre lotado – seja contra o Real Madrid, pela Champions, ou em um cotejo só para cumprir tabela diante do último colocado da liga local -, à emoção pulsante, ao colorido de uma arena que respira e exala vibração, como nos melhores momentos do futebol brasileiro nessa seara (nisso, supera, por exemplo, o padrão da Inglaterra, da Espanha, e o rival Bayern de Munique, e com relação a estes tem, nesse item, seu maior diferencial). Noves fora essas virtudes, o serviço prestado ao amante pelo clube é reflexo de quem o trata, verdadeiramente, como um parceiro, um amigo. Desde a compra dos bilhetes, até a organização do que eles chamam, numa tradução livre, de “dia do jogo”, tudo é quase perfeito, impecável, cuidadoso nos mínimos detalhes.

Para melhorar todo esse cenário, que já parece quase um sonho, uma miragem, lembremos que, como o estádio é do clube, cada metro do local parece pensado para gerar receita. Lojas e mais lojas. Museu belíssimo. Tour guiado por todo o estádio, pago. Tudo feito com carinho, competência.

Ah… E quase esqueci de dizer: o time, em campo, é um dos melhores do mundo. Sem gastar tanto, sem abrir os cofres como os “novos ricos” do velho continente, e jogando bonito. Há mais raiz, identidade, empatia real com quem está vestindo a camisa tão amada pelos adeptos. Enfim… Como deve ser difícil torcer, hoje em dia, para o Borussia… 

O choque que o Cruzeiro precisa; Atlético e Flu: jogando mal? Concorra: camisa do Galo!

públicado em by Cadu Doné em Esportes | 191 comentários

O que esperar de um time que, em um ano, quase caí, e no outro, contrata mal? O recado havia sido dado em 2011. Só faltou a diretoria ouvir.

O choque que o Cruzeiro precisa

Enquanto o Cruzeiro não entender que seu problema, no que se refere aos resultados obtidos no campeonato, passa, quase unicamente, pela fraqueza do elenco, ficará difícil. É imprescindível um choque de realidade, saber de suas limitações.

Em inúmeros sentidos, o futebol é complexo. Por esse motivo, um esquadrão, no máximo e com boa vontade, mediano, pode fazer campanha boa, razoável. Contudo, obter sequência necessária para protagonizar ótimo papel, compatível com a grandeza celeste, e se firmar na briga lá em cima, com esse plantel, é bastante improvável, algo à beira do impossível. Se a Raposa será sexta, sétima colocada, ou terá posição pior, por diversas questões, não dá para cravar. Há determinada oscilação, flutuação na tabela que se mostra totalmente plausível para o padrão cruzeirense de hoje, dentro do contexto da Série A. Mas lutar no primeiríssimo patamar, batalhar pelo título, atingir participação consideravelmente grandiosa, consistente, confiável, constante, num certame competitivo, longo, e de pontos corridos, simplesmente não é a vocação do Cruzeiro atual, e isso, por mais imprevisível que o esporte bretão seja, dava para se afirmar desde o início do Brasileiro. Entretanto, trabalho de qualidade para mudar o panorama nítido que se desnudava não foi executado.

Atlético e Flu: jogando mal? Únicos candidatos…

Galo e Flu: ao lado do Grêmio, os únicos candidatos ao título. Se ambos são competitivos, “cascudos”, capazes de vencer confrontos acirrados, os mineiros, no primeiro turno, pareciam ter uma vantagem: ganhavam convencendo com frequência bem maior. O tricolor carioca, a despeito das opções privilegiadas, em termos ofensivos, tem adotado, curiosamente, postura, em muitos momentos, exageradamente cautelosa. Nessa esteira, vem obtendo seus triunfos, em proporções superiores às do alvinegro de BH, por meio de “uma bola” decisiva, com menor margem de domínio. Entretanto, isso vem acontecendo com tanta consciência e eficiência que, não necessariamente, configura um “mau futebol”.

- Quanto ao Galo, apesar do que alguns dizem, e da pequena queda no segundo turno, acho que é cedo para dizer que o time está jogando feio, mal, após uma primeira metade de certame tão feliz, com tanta qualidade.

Sorteio da semana: concorra à camisa oficial do Galo! ATENÇÃO: NOVAS REGRAS

- Prêmio da semana: camisa oficial do Galo. Para participar, o esquema é o mesmo: basta pedir nos comentários desse post e/ou dos outros que vou escrever durante a semana. O vencedor será divulgado no próximo domingo, aqui no blog. Peço para colocarem nome e sobrenome no comentário, bem como endereço de e-mail correto e cidade. Será necessário também apresentar documento de identidade na hora de buscar o prêmio (pedido da rádio, já que alguns tentaram se passar por ganhadores em outras oportunidades). Se a pessoa não puder pegar a camisa, basta passar cópia do documento para quem for recebê-la. E novamente, repito: CIDADE, NOME E E-MAIL CORRETOS SÃO INDISPENSÁVEIS!  Boa sorte a todos!

Os dois principais candidatos ao título brasileiro; concorra a uma camisa oficial do Galo!

públicado em by Cadu Doné em Esportes | 160 comentários

Entrosamento, solidez, e alguns jogadores capazes de “pegar a bola” como quem dizem: “me dá aqui que eu resolvo”. Eis os elementos que colocam o Galo em condições de brigar pelo título.

Os dois principais candidatos ao título brasileiro

Lutar pelo título. Essa é a realidade do Galo no Brasileiro, nesse momento. Sim, muita coisa vai mudar. O campeonato passará por transformações. Récem-contratados estrearão. Estrelas ainda podem emigrar. Selecionáveis voltarão de suas obrigações olímpicas. Alguns conjuntos apenas atingem aquela sintonia fina, genuína, em termos de entrosamento, durante a disputa. Determinados clubes, só agora entram de cabeça no nacional, após o fim de compromissos que, há pouco, eram prioritários. Por essas e outras, a competição, em certo sentido, começa a ter seus rumos indicados, pra valer, somente no segundo turno.

Não afirmo aqui que o Atlético vá se sagrar campeão, tampouco que é o principal favorito para levantar a taça. Longe disso. Há outros postulantes capazes nessa briga, com consideráveis possibilidades. Fluminense, Grêmio… Contudo, levando-se em conta o elenco alvinegro, recheado de boas opções para o ataque, a criação e a defesa, inclusive com peças de reposição interessantes; a solidez do sistema de marcação e a presença de nomes capazes de fazer “as coisas acontecerem” ofensivamente; as performances do time no certame, responsáveis por conceder aos mineiros a melhor campanha na era dos pontos corridos até a 11ª- rodada; a comparação com os concorrentes, o cenário médio da Serie A; e, por fim, o acerto tático da equipe, não dá para negar que, pelo menos condições de pleitearem a glória suprema, de se portarem, se apresentarem como candidatos sérios a ela, sem parecerem, digamos, “fora do lugar”, atrevidos, precipitados, nesse instante, os comandados de Cuca possuem.

Se o Brasileirão está longe de terminar, também já teve número de confrontos suficientes para que cheguemos a algumas conclusões; se a precipitação nos prognósticos é inimiga da sabedoria, não é preciso ficar sempre “cheio de dedos” para traçar certos diagnósticos. Além do mais, boa dose de leveza, não levar futebol “tão a sério” assim, às vezes faz bem. Por isso, hoje, caso fosse obrigado a apontar os principais aspirantes ao título, reduzindo ao máximo que “consigo” essa lista, ficaria com dois times: Fluminense e Atlético.

Sorteio da semana: concorra a uma camisa oficial do Galo!

- Aproveitando o bom momento, e a liderança da equipe, essa semana será sorteada uma camisa oficial do Galo. Para participar, o esquema é o mesmo: basta pedir a camisa nos comentários desse post, e/ou dos outros que vou escrever durante a semana. O vencedor será divulgado no próximo domingo, aqui no blog. Peço para colocarem nome e sobrenome no comentário, bem como endereço de e-mail correto. Boa sorte a todos! Lembrando que essa ação é feita com a ajuda da Loja Esportes Camisa 10, espaço bem bacana e completo quando o assunto é artigos esportivos. O endereço da loja é Av. Santos Dumont, 539, Centro, BH. Vale a pena conferir as opções dele no site http://esportescamisa10.com.br/plus/. Os preços são ótimos, vale pesquisar!

Um panorama comum nas derrotas Cruzeirenses; estratégia que o Galo deve manter e aprimorar; concorra a uma camisa oficial do Cruzeiro!

públicado em by Cadu Doné em Esportes | 122 comentários

Questões táticas, físicas e de atitude, nas últimas derrotas, não foram decisivas. Faltaram ao Cruzeiro, na realidade, superior qualidade técnica e maior poder de definição.

Um panorama comum nas derrotas Cruzeirenses

Os dois últimos jogos do Cruzeiro revelaram cenários parecidos: o time teve raça, brigou muito, não atuou exatamente mal. Em ambos os confrontos, empates não seriam injustos. Porém, nessas jornadas, a despeito do razoável volume apresentado pelo clube celeste, faltou algo. E um ingrediente decisivo que se ausentou diante de Inter e São Paulo foi determinada dose de qualidade técnica do meio para frente; criação, drible, capricho naquele último passe, no chute; aptidão para abrir a defesa adversária, clarear os lances, escolher a opção correta: eis pontos nos quais a Raposa há de melhorar. Aliás, nesses mesmos embates, lampejos de Lucas e Oscar, bem como rompantes de eficiência protagonizados por Damião e Luís Fabiano escancaram que, no Brasileiro, é fundamental a eficácia, a capacidade de ser decisivo, letal nas chances que aparecem e, costumeiramente, não são tão numerosas. Normalmente, os grandes não podem usufruir do luxo de bobear, defensiva ou ofensivamente, como nos estaduais.

Com a chegada de Martinuccio e Borges, atletas que executam funções ofensivas, espera-se crescimento na habilidade para construir e finalizar as ações. Montillo, sem dúvida, precisa de um parceiro para “fazer as coisas acontecerem”. A dependência de apenas um arquiteto é sempre complicada; deixa o conjunto mais previsível e facilmente anulável. Agora, é esperar para ver como os novos nomes entrarão no time.

Estratégia que o Galo deve manter e aprimorar

A marcação por pressão virou moda. De equipes brasileiras como o Corinthians, a selecionados estrangeiros, como a Espanha, passando pelo Barça, e até pelos comandados de Mano – em seus melhores momentos na última série de amistosos -, vários são os esquadrões que vêm adotando, com sucesso, essa estratégia. O Galo, quando pressiona a saída de bola do adversário, tem conseguido resultados interessantes. No segundo tempo do duelo contra a Lusa, isso ficou evidente. Agora, vale apenas apostar mais nessa postura, utilizá-la com maior frequência.

Sorteio da semana: concorra a uma camisa oficial do Cruzeiro!

- Para manter o rodízio de camisas sorteadas, o prêmio da semana será uma camisa oficial do Cruzeiro. Para participar, o esquema é o mesmo: basta pedir a camisa nos comentários desse post, e dos outros que vou escrever durante a semana. O vencedor será divulgado no próximo domingo, aqui no blog. Reforço novamente para colocarem nome e sobrenome no comentário, bem como endereço de e-mail correto. Boa sorte a todos! Lembrando que essa ação também é oferecimento da Loja Esportes Camisa 10, espaço bem bacana e completo quando o assunto é esporte. O endereço da loja é Av. Santos Dumont, 539, Centro, BH. Vale a pena conferir as opções dela no site http://esportescamisa10.com.br/plus/

Devemos rever os favoritos? Um possível alento para Galo e Cruzeiro; concorra a uma camisa oficial do América e a um livro sobre o Cruzeiro!

públicado em by Cadu Doné em Esportes | 72 comentários

Quem diria. O contestado Cruzeiro, que, depois de quase cair no ano passado, não se reforçou como a torcida desejava, na liderança do Brasileirão. Também não deixa de ser curioso enxergar os mineiros no topo da tabela, soberanos, nas duas primeiras posições. Pouco tempo se passou desde 2011, quando as piadas sobre a presença convicta, insistente, e quase irredutível dos nossos times, nos arredores da zona de rebaixamento, proliferavam.

A pergunta que mais se tem feito em Minas essa semana é: será que Galo e Raposa têm fôlego para se segurarem ali, no comando do futebol nacional, até o fim desse longo e árduo certame? Para boa parte daqueles que acompanham futebol, a dificuldade de se responder essa indagação é óbvia. Nossa Série A é pra lá de equilibrada, e, com frequência, muitos elencos vão se transformando ao longo dela, em função da famosa janela de transferências, que, no Brasil, lembremos, se abre em momentos inconvenientes, durante a principal competição do país.

Contudo, em meio a incertezas, um aspecto já pode ser colocado como um possível alento para os mineiros. Raciocinemos. Antes do início do Brasileiro, tínhamos, nas listas de favoritos para a conquista do campeonato, o predomínio de cinco clubes: Santos, Inter, São Paulo, Fluminense e Corinthians. A Olimpíada vem aí. Só por causa dela – fora outras situações, algumas já acontecidas -, em até nove jogos, os três primeiros citados perderão grandes estrelas, verdadeiros diferenciais. O Peixe terá de se virar sem Rafael, Ganso e Neymar; o colorado ficará desfalcado de Damião e Oscar; o tricolor, de Lucas, e, provavelmente, Casemiro. Pergunto: alguém tem dúvida de que essas equipes dificilmente seriam colocadas entre as favoritas – ao menos com a mesma firmeza – sem esses nomes?

A possível ausência de Wellington Nem no Flu é digna de menção, mas notoriamente menos devastadora do que as demais assinaladas. E o Corinthians, se não perderá jovens pérolas para os jogos Olímpicos, obsecado pela Libertadores até boa parte da Serie A, pouco tem jogado com os titulares, e se for campeão continental, pode entrar naquela de focar-se na preparação para o inédito mundial – se não considerarmos a “polêmica” conquista de 2000 -, no qual teria boas chances diante do, pelo menos por enquanto, não tão assustador Chelsea.

Nada disso assegura qualquer coisa para Cruzeiro e Atlético, e ainda não ouso apostar em nenhum deles para o título. Mas que vale ficar de olho nesses pontos destacados, e refletir sobre eles, isso vale. Garantias não existem. Já as possibilidades de um cenário de disputa, digamos, mais ameno, do que o inicialmente imaginado pela maioria, são concretas, reais.

Sorteio da semana: concorra a uma camisa oficial do América e a um livro sobre o Cruzeiro!

- Os prêmios que serão sorteados essa semana são uma camisa oficial do América e o livro “Um campeão chamado Cruzeiro”, sobre as conquistas celestes na década de 90. Para participar, o esquema é o mesmo: basta pedir a camisa ou o livro nos comentários desse post, e/ou nos dos outros que vou escrever durante a semana. Os vencedores serão divulgados no próximo domingo, aqui no blog. Dessa vez, peço para colocarem nome e sobrenome no comentário, bem como endereço de e-mail correto. Também é legal especificar qual é o prêmio desejado, ou se está dentro para qualquer um dos dois. Boa sorte a todos! Lembrando que a camisa do Coelho também é um oferecimento da Loja Esportes Camisa 10, espaço bem bacana e completo quando o assunto é esporte. O endereço da loja é Av. Santos Dumont, 539, Centro, BH. Vale a pena conferir as opções dela no site http://esportescamisa10.com.br/plus/

Já o livro, é cortesia do autor Anderson Olivieri Mendes, grande conhecedor da história do Cruzeiro, que, pelo preparo, eloquência e simpatia, fez muito sucesso na sua recente participação no Bastidores. Valeu, Anderson!