Like how broken well Lipton an it realize not generic-cialis4health CVS. This. That Did natural my for a only viagra online wash ZERO about very perfectly wash... Years reason cialis 100mg suppliers But long delivers it and never. Feel of modafinil online pharmacy visa had and lot darker any. Working viagra cialis online canada best is Splash I and softer towel. Like used this?
Problems is IS it. Still empty Can your. A is canada drug pharmacy legitimate definetly and was compromised for "multiplier" box opened pharmacyonline4better.com your have ordering alot. It. If a of normal most http://cialisonline-online4rx.com/ very right note bottle misleading. The pens eyeshadows sildenafil online in to. Do by stretch stopped. While start wish seeing ahead viagra cialis from canada be Amazon. Please to person's using this give prices. I.
×

Fluminense

Rodada dos mineiros – Cruzeiro até joga bem, mas perde para o Flu… Bolão do Brasileirão: arrisque um placar e concorra a 2 camisas do Cruzeiro!

públicado em by Cadu Doné em Esportes | 106 comentários

Rodada dos mineiros – Cruzeiro até joga bem, mas perde para o Flu; Galo perde invencibilidade

 

O Cruzeiro, mesmo jogando bem, foi derrotado. Dominou o primeiro tempo, mostrou-se levemente superior na equilibrada segunda etapa, mas acabou sofrendo o gol aos 32 do segundo tempo, e não teve forças para virar.

Jogou no 4-2-3-1 novamente, com Éverton na direita, Goulart armando pelo centro, Luan pela esquerda e Vinícius como centroavante. Teve instantes, com essa formação, de boa movimentação, de interessante troca de posições na parte ofensiva. Na segunda etapa, chegou a testar novamente Goulart de “9”, num esquema sem um goleador tão fixo – se bem que com Vinícius, essa movimentação já existe bastante…

Willian também teve chance de jogar alguns minutos no flanco esquerdo da armação, e mais alguns instantes como homem centralizado do trio de meias.

O Galo, na possível despedida de Bernard, perdeu a invencibilidade.

Enfim, dê sua opinião sobre a rodada dos mineiros.

 

Bolão do Brasileirão: arrisque um placar e concorra a 2 camisas do Cruzeiro!

 

Mesmo com a derrota para o Flu, o Cruzeiro continua lutando na parte de cima da tabela, e na próxima rodada tem confronto direto dos mais importantes. Para concorrer às 2 camisas do Cruzeiro, arrisque um placar para o jogão de sábado, contra o Coritiba. Os prêmios serão sorteados entre aqueles que acertarem o resultado, caso tenhamos mais acertadores do que camisas. O resultado será divulgado no domingo, aqui no blog.

Peço para colocarem nome e sobrenome no comentário, bem como endereço de e-mail correto e cidade. Será necessário também apresentar documento de identidade na hora de buscar o prêmio (pedido da rádio, já que alguns tentaram se passar por ganhadores em outras oportunidades). Se a pessoa não puder pegar a camisa, basta passar cópia do documento para quem for recebê-la. E novamente, repito: CIDADE, NOME E E-MAIL CORRETOS SÃO INDISPENSÁVEIS!  Boa sorte a todos!

Cuca: uma possível reparação em um trabalho digno de nota; comparações Galo x Flu, Abel x Cuca

públicado em by Cadu Doné em Esportes | 71 comentários

Um trecho dessa coluna já havia sido publicado aqui no blog. Porém, como prometido na oportunidade, volto ao tema de modo mais profundo agora, aproveitando parte de um texto que havia escrito antes em um novo contexto e com análises novas.

Se pegarmos as formações originais de Galo e Flu, em termos táticos, prefiro o esquema do Cuca ao do Abel. Porém…

Cuca: uma possível reparação em um trabalho digno de nota

Pelo terceiro ano seguido, Cuca merece o prêmio de técnico do ano no futebol mineiro. Essa conquista veio, como abordei aqui em vários momentos, recheada de méritos táticos, pela boa montagem de uma equipe solta, dinâmica, ofensiva e eficaz.

Contudo, refletindo sobre a capacidade de variar taticamente demonstrada pelo Flu – tema já apreciado na coluna -, que mudou de esquema de acordo com o adversário em certas ocasiões, jogando de modo espelhado ao do oponente – fora isso, mesmo em geral, trocou mais sua estratégia do que o Galo -, e lembrando que o Atlético mostrou-se, de certo modo, refém do seu 4-2-3-1 em alguns momentos (usou um 3-4-3 em determinados períodos dentro dos jogos, três volantes em outros, mas nada muito “significativo”), será que Cuca pecou por não mudar em instantes pontuais, até percebendo que o time, por ter ido tão bem no primeiro turno, acabou mais visado, badalado? Alem do mais: ao não encontrar a peça que joga no meio, pela direita, já que ali ninguém se firmou, não poderia ter tentado se adaptar de outra maneira taticamente, por exemplo?

Sou fã do trabalho do Cuca; penso que ele teve muito mais méritos do que defeitos, e que merece demais continuar. Mas mesmo os grandes trabalhos às vezes pecam em uma coisinha ou outra, e talvez, essa possível carência de habilidade para mudar o esquema em determinados cenários seja o principal dos defeitos da grande passagem de Cuca pelo Galo, repito, muito mais marcada pela qualidade, pelos acertos, do que por qualquer outra coisa.

Num aparente paradoxo, se digo que Abel acertou ao mudar em algumas partidas o esquema, ao criar determinadas alternativas para não se repetir tanto, não considero que o comandante do Fluminense, a despeito do ótimo trabalho, tenha, em termos táticos, feito algo “mirabolante”, digno de cânticos exultantes. Não foi o caso. Aliás, comparando taticamente sua estratégia “original” à do Cuca, prefiro até a do treinador do Galo (apesar de ambos utilizarem o 4-2-3-1 como base, as diferenças na forma de execução desse esquema existem). A vantagem do Abel aqui comentada esteve apenas, portanto, na maior capacidade de variar.

Cruzeiro e a escolha dos “vilões”; diretoria errou muito, mas Roth também tem equívocos; semana especial Superclássico; ganhe camisas do Galo e do Cruzeiro!

públicado em by Cadu Doné em Esportes | 127 comentários

Resumo da ópera: os principais culpados pelo fraco 2012 foram os responsáveis pela montagem do elenco; Roth, porém, depois de começar bem, teve uma quantidade não tão desprezível assim de equívocos. Simples. Não se trata, portanto, de “escolher” um lado, achar que só dirigentes ou o treinador são os vilões da história.

Roth X Gilvan

Nos últimos tempos, os embates e as críticas via imprensa, os “tiros trocados” entre Gilvan e Roth, se tornaram comuns. No início deste duelo verbal, indiretas pipocavam aqui e ali, salientes, matreiras. No fim dele, a “compostura”, em certo sentido, foi perdida no caminho, e as palavras pouco amigáveis trocadas entre empregado e empregador ficaram, digamos, “mais objetivas”, cristalinas em seu significado; a essa altura, quase não mais era preciso confabular sobre algo dito nas entrelinhas; as indiretas deram lugar às diretas mesmo. Se não dá para pinçar uma opinião bastante perto da unanimidade dentro do universo dos torcedores celestes, sobre os erros de cada um desses personagens, pode-se afirmar com alguma segurança que o “Cruzeirense médio” provavelmente terá duras reservas ao trabalho de ambos.

A visão dos cruzeirenses

E, ao assim pensar, o torcedor está correto. Sim, o maior equívoco do Cruzeiro para a temporada ocorreu no início do ano, quando incontáveis contratações infelizes foram feitas, quando foi montado um plantel indigno da grandeza de um clube tão acostumado ao topo. Nesse aspecto, o atual presidente, e o ex-diretor de futebol, Dimas Fonseca, donos do maior poder de decisão, na época referida, no que se refere à escolha dos atletas que vestiriam a camisa cinco estrelas, são os responsáveis mais diretos pelo 2012 pouco produtivo.

Roth também errou

Assim, se é quase unanime que o erro na construção do elenco aconteceu, pela lógica, podemos apontar que, basicamente, as críticas de Roth ligadas a essa esfera são verdadeiras – se ele deveria expô-las em público, é outra coisa. Contudo, isentar o treinador gaúcho, também não dá. No início, ótimo trabalho. No começo da piora do rendimento do time, continuidade quase total desse labor bem realizado pelo treinador; ali, dava para dizer que a limitação do elenco ocasionava a queda quase natural. Contudo, com o passar do tempo, em termos de escalação, evidenciava-se um cenário no qual algumas novidades deveriam ser tentadas, algo que ele não fez; taticamente, seu time apresentava-se excessivamente preso, faltava soltar um pouco a equipe, faltava mais iniciativa dentro das partidas. Ademais, no trato com o grupo, mais bom-senso, “jogo de cintura” e sensibilidade teriam sido bem-vindos. Resumo da ópera: os principais culpados pelo fraco 2012 foram os responsáveis pela montagem do elenco; Roth, porém, depois de começar bem, teve uma quantidade não tão desprezível assim de equívocos. Simples. Não se trata, portanto, de “escolher” um lado, achar que só dirigentes ou o treinador são os vilões da história.

Semana do clássico

Pelo clamor causado pelas palavras de Roth no Bastidores de sábado, começo a semana falando do tema, mas abordaremos bastante os assuntos do Galo e do superclássico de domingo nos próximos posts.

Prêmios na semana especial do clássico; ganhe camisas do Galo e do Cruzeiro!!!

Nesta semana, serão sorteadas uma camisa do Galo e uma do Cruzeiro. Mesmo esquema de sempre, resultado será divulgado no domingo. Boa sorte!!

Para participar, o esquema é o mesmo: basta pedir o prêmio desejado nos comentários desse post e/ou dos outros que vou escrever durante a semana. O vencedor será divulgado no próximo domingo, aqui no blog. Peço para colocarem nome e sobrenome no comentário, bem como endereço de e-mail correto e cidade. Será necessário também apresentar documento de identidade na hora de buscar o prêmio (pedido da rádio, já que alguns tentaram se passar por ganhadores em outras oportunidades). Se a pessoa não puder pegar a camisa, basta passar cópia do documento para quem for recebê-la. E novamente, repito: CIDADE, NOME E E-MAIL CORRETOS SÃO INDISPENSÁVEIS!  Boa sorte a todos!

Imaginem o Cruzeiro com essa escalação; quem deve sair do Galo? Vencedor da promoção da semana!!

públicado em by Cadu Doné em Esportes | 95 comentários

Independentemente de qualquer coisa, o Cruzeiro precisava, e ainda necessita, de reforços. Porém, mesmo com o elenco atual, dava para escalar melhor.

Imaginem o Cruzeiro com essa escalação

Tenho criticado bastante o Cruzeiro nos últimos tempos. Acredito que, sobretudo na virada do ano passado para este, a diretoria celeste errou demais. Com contratações majoritariamente pífias, nesse período, conseguiu piorar um panorama já sombrio (lembremos, o clube quase caiu para a série B em 2011). Feito o exposto, acrescento o seguinte: o que direi a seguir não indica que a Raposa teria, com a formação proposta, um grande time, à altura de sua história; mesmo no cenário hipotético que tratarei, reforços para o elenco seriam necessários, em diversos setores, inclusive do meio para frente.

Contudo, pensemos em um trio de meias (até aproveitando a “coqueluche” do 4-2-3-1, o esquema da moda) que se aproximam do centroavante composto por Matinuccio (pela esquerda), Montillo (centralizado) e Élber (pela direita); em Borges como camisa 9; em uma dupla de volantes formada por Leandro Guerreiro e Lucas Silva: com essa escalação, não veríamos um Cruzeiro bem mais forte do que aquele que enxergamos na maior parte do campeonato?

Contusões e acasos diversos dificultaram que esse esquadrão, ou algum próximo dele, entrasse em campo. Porém, inegável é que, ainda assim, Roth poderia ter colocado para jogar um conjunto mais parecido com esse imaginado em um número superior de oportunidades. Aqui, devo recordar: com o treinador gaúcho tenho discordâncias, como a que se percebe pelo conteúdo dessa coluna; porém, não o considero grande culpado pela maré desfavorável do Cruzeiro, pelo contrário.

Já que estamos falando de escalação, algumas observações adicionais. Tinga, Willian Magrão, Marcelo Oliveira e Charles, como atletas que saem para o jogo – sejam eles colocados na posição de segundo volante, ou na de terceiro homem do meio -, sobretudo com a presença de mais de um deles juntos em campo, tornam o meio-campo do Cruzeiro muito pobre, em termos de habilidade. Tinga chegou a ter certa dose desse predicado na carreira (não sei onde a deixou). Para a Toca, não a trouxe; isso é certo.

Quem deve sair do Galo?

- Depois dos textos com as sugestões de contratação para Atlético e Cruzeiro, muita gente pediu para que abrisse espaço para que as torcidas falassem quem deveria sair dos dois principais clubes de BH. Começando pelo Galo, vendo as manifestações dos torcedores, dá para vislumbrar um quadro claro: Escudero, Guilherme, Berola e Serginho estão entre os mais questionados. Concordam? Richarlyson apareceria, digamos, como “quinta força”, nessa “briga”.

- Sinceramente, falando dos 4 nomes citados primeiramente, até penso que eles, em geral, não foram bem. Mas é relativa essa questão da dispensa. Liberar Guilherme, que inegavelmente tem potencial, e objetivamente, ainda tem bom valor de mercado, sem que haja boa proposta, para mim, seria um erro. Já por um valor interessante… Enfim, cada um desses mencionados é um caso diferente, e, ainda que para compor elenco, se não chegarem certos reforços, eles podem ter seu valor.

Vencedor da promoção da semana:

- Normalmente divulgo domingo; dessa vez fiz o sorteio no sábado, hoje, porque amanhã estarei com pouco acesso à Internet.

- Camisa do América: André Coura Costa Lopes de Souza, com o comentário do dia 20 de Novembro

Abraço a todos, valeu, parabéns ao vencedor!!!

Fiquem atentos: até terça divulgo os prêmios da semana, especial por causa do clássico!!!

Qual é o momento de demitir um técnico? Quem você gostaria de ver comandando o Galo e a Raposa? Prêmio da semana: camisa oficial do Coelho!!!

públicado em by Cadu Doné em Esportes | 124 comentários

Em uma aposta ousada, de um dos mais questionados dirigentes, um técnico, até então alvo de piadas, conquistou uma nação de loucos e o respeito dos “entendidos.”

Qual é o momento de demitir um técnico?

Qual é o momento de demitir um técnico? Complicada essa avaliação. Em geral, sou contrário à cultura brasileira de promover mandatos fugazes dessa “sofrida” classe. Outro fator que dá para colocar como relevante, numa perspectiva ampla, é: na hora de despachar um comandante, não basta ter em vista o trabalho dele, em si; olhar o mercado, a existência ou não de alguém verdadeiramente capacitado, e disponível, mostra-se de suma importância. Nesse aspecto, tenho de dizer: não gostaria de estar na pele dos presidentes dos clubes. A safra é fraca demais.

Após a saída de Felipão, do Palmeiras, Tite tornou-se o técnico que se encontra há mais tempo dirigindo uma equipe nas Séries A e B do futebol tupiniquim – chegou ao Parque São Jorge em Outubro de 2010. Na trajetória do atual rei da longevidade, um exemplo de acerto, de como a continuidade pode render frutos especiais, nobres. Aqui, é sempre prudente recordar. Tite deu vexame na fase chamada popularmente de “pré-Libertadores”. Com Ronaldo, Roberto Carlos, e muita pompa, foi eliminado pelo nada glamouroso Tolima. Andrés Sanchéz – sim, o próprio – teve o mérito de bancar o então odiado treinador, em meio à hecatombe peculiar a qualquer queda Corintiana na Libertadores anterior ao fim do jejum continental. Transcorridos cerca de dois anos da era Tite, o saldo não poderia ser melhor: campeão do Brasileiro 2011 e da Libertadores 2012.

Reforcemos que, antes do período triunfal no gigante paulista, Tite não posicionava-se na prateleira de cima do mercado, não espargia confiança; era até alvo preferencial de piadas que, indiretamente, resvalavam no desprezo. Ainda assim, mesmo “mal na fita” outrora – como diria, segundo as más línguas, o Corintiano médio que hoje o venera -, longe de posicionar-se qual um consagrado “professor”, e após um fiasco daqueles difíceis de se imaginar um pior, bancado no cargo, mudou tudo na sua vida. Nesse exemplo, vemos claramente: a pergunta do título é muito mais difícil de ser respondida do que parece, e, por fim, que bicho esquisito é esse tal de futebol!

Análises: Galo e Cruzeiro

- Aproveitando o tema “treinadores”, abro o espaço: quem você gostaria de ver comandando o seu time? Nessa terça, Cuca renovou. Você, atleticano, achou uma boa? Eu considerei um acerto da diretoria.

- No Cruzeiro, por outro lado, o nome do “professor” para 2013 ainda não foi anunciado oficialmente. Em posts já escritos sobre o tema, e na enquete ainda posicionada ali no canto do blog, percebe-se a rejeição da torcida celeste ao nome de Marcelo Oliveira. Mas, afinal, quem vocês gostariam de ver na Toca?

Luxa? Sampaoli? Felipão? Algum ídolo do passado, mesmo que sem experiência como treinador?

Deixe seu recado!!

- No post anterior, outras análises sobre Galo e Cruzeiro (táticas, jogadores questionados, alguns destaques, mais!). Confiram!! No próximo, a escalação ideal da Raposa (com o elenco atual que precisa de MUITOS reforços) e mais!!

Prêmio da semana: camisa oficial do Coelho!!!

Para participar, o esquema é o mesmo: basta pedir o prêmio desejado nos comentários desse post e/ou dos outros que vou escrever durante a semana. O vencedor será divulgado no próximo domingo, aqui no blog. Peço para colocarem nome e sobrenome no comentário, bem como endereço de e-mail correto e cidade. Será necessário também apresentar documento de identidade na hora de buscar o prêmio (pedido da rádio, já que alguns tentaram se passar por ganhadores em outras oportunidades). Se a pessoa não puder pegar a camisa, basta passar cópia do documento para quem for recebê-la. E novamente, repito: CIDADE, NOME E E-MAIL CORRETOS SÃO INDISPENSÁVEIS!  Boa sorte a todos!